Arquivo da categoria: Entrevista

João das Neves: A Obra de Arte Transcende

Entrevista com ator, diretor e dramaturgo João das Neves para o site da Ocupação João das Neves, exposição que o homenageia no Itaú Cultural de setembro a novembro de 2015.

Anúncios

Eliane Brum: Escutar o Outro Integralmente

Publiquei no blog Fale com Arte, do Itaú Cultural, a entrevista “Eliane Brum: Reportagem é Reflexão em Movimento“, com Eliane Brum. A escritora e jornalista fala sobre a importância da reportagem para o cotidiano e a memória das sociedades, e ressalta a importância de manter o registro do trabalho dos grandes repórteres. Ela disse:

Nós somos seres históricos, com os dois pés enfiados, inscritos na cultura, e por isso a gente precisa se precaver para chegar o mais perto não de uma verdade – porque uma verdade única não existe –, mas o mais próximo das verdades todas. Por isso, o principal instrumento do repórter é a escuta, essa escuta que se faz com todos os sentidos e que te obriga a te despir de todos os teus preconceitos, das tuas visões de mundo, dos teus julgamentos, para escutar o outro na integridade do que ele é: isso é reportagem.

Grupo Bagaceira: Poesia para um Tema Espinhoso

Captura de Tela 2015-05-13 às 18.26.17

Publiquei no blog Fale com Arte, do Itaú Cultural, a entrevista “Meire Love: Inocência Pisada“, com o grupo Bagaceira de Teatro. O elenco — formado por Yuri Yamamoto, Rafael Martins e Rogério Mesquita — fala sobre o ideário, o processo criativo e o impacto, principalmente neles próprios, da peça Meire Love, que trata de crianças vítimas de exploração sexual. Eles disseram:

Uma coisa interessante da arte, do teatro, é voltar o olhar para algo. Já que a realidade não sensibiliza mais, pelo menos o olhar artístico pode mexer de alguma forma. Em um momento de entretenimento, como o do teatro, em que a pessoa vem pela diversão, ela chega e vê algo que desvia o foco da sua atenção por um minuto, por um segundo, até por alguns dias. Pensa: “Ah, é, tem isso mesmo, acontece…”. Vê uma morte em cena e se choca: “Porra! O cara matou em cena…”. A arte, o teatro fazem abrir um pouco a reflexão.